Vamos conversar sobre a culpa? | | WOWL Education

Vamos conversar sobre a culpa?

/, Todos os posts/Vamos conversar sobre a culpa?

Alzira Willcox

 

Culpa e remorso são coisas bem diferentes. Praticamente são opostos. O remorso tem a ver com o outro, leva a um desejo de reparação. Já a culpa é focalizada no nosso eu. É um sentimento devastador e que pode levar a certa paralisia, principalmente como pais. Frequentemente estamos a nos culpar: que tipo de mãe/pai eu sou? Olhe como estão meus filhos! Diante de qualquer atitude ou insucesso dos filhos, a pergunta é: onde foi que eu errei?
Embora culpa seja uma reação humana natural e universal é o mais corrosivo e destrutivo estado emocional e que não ajuda nada no próprio crescimento, nem dos filhos. Tampouco colabora para o crescimento das relações. O sentimento de culpa tem que ser combatido e elaborado para uma relação sadia entre pais e filhos e entre as pessoas em geral.
Quem carrega culpa comumente vive angustiado. É um estado emocional que nos sinaliza permanentemente que nossas ações ou mesmo inércia podem prejudicar alguém, tanto física quanto emocionalmente. Frequentemente subestimamos o papel que ela desempenha no nosso dia a dia. Considerando a importância da culpa nas relações humanas e por ela ser a grande geradora de angústia, os psicólogos debruçam-se sobre a gênese da culpa para trazer entendimento sobre o seu mecanismo de forma a melhorar nossas relações com o outro e principalmente conosco mesmo, em quem se encontra a raiz do problema.
Se você tem um forte sentimento de culpa não resolvido será como ter um alarme constante em sua cabeça, impedindo-o de se concentrar porque sua atenção será constantemente desviada por tal sentimento de culpa. É comum a culpa se instalar e interferir negativamente em nossas atitudes na vida. A culpa possui um efeito deletério porque impede o raciocínio direto, firme, afetando a produção, o rendimento, a criatividade, a eficiência do indivíduo em geral. A culpa faz com que nos sintamos eternos devedores de alguém ou de algo. E nem sempre nos damos conta dessa realidade.
E algo bastante grave é que a culpa nos impede de aproveitar a vida. A pessoa que se sente culpada não se permite sentir alegria ou divertir-se. Tal postura acarreta uma tendência à autopunição. E um ciclo se estabelece. Um triste ciclo.
A psicanálise faz uma leitura da culpa como processos inconscientes que podem levar a reações neuróticas. Freud atribui a culpa ao superego que corresponde à consciência moral da mente. O grande censor da mente que regula o comportamento do indivíduo.
E ainda existem os componentes religiosos que apontam a culpa de cada um por pensamentos, palavras e atos.
Realmente não é fácil se desvencilhar do sentimento de culpa que nos acompanha desde o berço porque, ao nascermos, impomos sofrimento às mães. Mas é importante ter bem clara a origem da culpa para analisar e elaborar a situação que a provocou, sobretudo não deixando que o sentimento se instale, trazendo prejuízos às nossas relações, principalmente se nós temos filhos.
Lembrar que o remorso é diferente da culpa. Remorso leva à reparação. Pode ser passageiro. A culpa se instala e fica nos consumindo.
E muito cuidado os pais com as armadilhas que a sensação de culpa pode aprontar. Tal sentimento induz frequentemente a atitudes compensatórias nada construtivas, principalmente para os filhos. O importante é sempre fazer uma autoanálise, uma reflexão para não deixar que a culpa regule as suas atitudes.
Para nos livrarmos da culpa vamos, em primeiro lugar, admitir que nós sentimos alguma culpa, em seguida descobrir a sua origem, depois dissecá-la para concluir se é uma culpa infundada ou não. Se descobrirmos que não há razão ou fundamento para a culpa, ponto final na verdadeira tortura que é viver sob seu domínio. Se, ao contrário, ela tem razão de ser, vamos tentar buscar os meios de nos libertarmos, seja indo às suas origens, seja falando sobre ela, arrancando-a do lugar de domínio de sua vida.
E sobre nossa tarefa de pais, lembremo-nos de fazer o melhor possível, relativizando os inevitáveis erros, assumindo que somos humanos, sem culpa.

 

 

2020-07-10T09:00:52-03:00